Notícias

Prosa Poética, no programa Tarde Ponto Com, por Mary Arantes: 'Passado tantos anos'

Por Mary Arantes , 28/11/2019 às 16:44
atualizado em: 28/11/2019 às 16:55

Texto:

Ouça na Íntegra
00:00 00:00
Foto: Pixabay
Pixabay

Passado tantos anos, não imaginava chorar por coisas aparentemente esquecidas. Recentemente fui ao bairro Padre Eustáquio, que nos acolheu, quando aqui chegamos de mudança, junto a gaiolas e passarinhos. 

Muitas casas no bairro ainda conservam os jardins de frente à casa, com roseiras que comungam com Manacás e pés de romã, carregados de doçura. Mas foi um muro vestido de trepadeira, carregada de miúdas flores cor de rosa, que trouxe toda a infância aos meus olhos. Foi como mexer em um quintal adormecido, que cresceu e desaprendeu a florir. Tudo veio à tona: pai, mãe, irmãos, carinho, amor sem medida. Ovo frito redondinho, regado a óleo e pimenta do reino. Galinhada de domingo, macarronada, maionese e tutu, essa mistura desordenada que se parece tanto com o amor.

Aquele muro e aquela trepadeira, eram a imagem da fachada da casa da minha infância. A vontade de voltar veio ao corpo, voltar a ser criança, voltar a ser irmã. Também voltou o desejo reprimido de uma adolescência curta, vida de adulto atropelando caminho, desejo de sentir a vida pulsando. Senti falta de pedir a benção e ouvir de resposta "Deus te abençoe", e, principalmente, sentir que aquelas palavras tinham mesmo este dom de abençoar.

Era cedo ainda, umas 10 horas da manhã, mas a cena me transportou à hora do ângelus, aquele momento em que tudo se avermelha, e a saudade não tendo onde se esconder, derrama olho e céu afora. 

Os jardins de frente às casas foram substituídos pelas garagens.  Varanda também não mais existe. Acolhia passantes, visitas rápidas e o bate papo dos compadres ao anoitecer. Eram visitas desprogramadas, que o máximo que exigiam da gente era um café coado na hora e dois dedos de prosa. O progresso roubou varandas e jardins de frente das casas. Mas dentro de mim, a trepadeira que velava nossa casa do resto do mundo, permanece intacta.

O carro atrás, buzina, o sinal abre e eu ali, perdida no tempo, escapulindo da certeza de que tudo aquilo ficou longe.
 

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link